"Não canso de dizer: o ballet é a minha segunda pele".

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Entrevista Publicada



Coluna "Sala de Concerto"
Entrevistas com Cecília Kerche e Vítor Luiz

Numa composição de gerações distintas surge a sincronicidade do amor pela dança, através de um profissionalismo impecável e determinação total. Assim podemos “resumir” esse “pas de deux” de almas destinadas através da vocação de comunicar o divino no humano através da arte da dança. A “Elegância Clássica” e o “Danser Noble”.
Cecília Kerche e Vítor Luiz apresentaram-se em Dallas no Texas, no TITTAS COMMAND PERFORMANCE OF INTERNATIONAL BALLET, no último dia 05 de Abril. Ambos participaram da temporada do ballet “Giselle”, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro de 12 a 21 de Abril. Agora em maio embarcam para o Canadá onde participaram de uma Gala Beneficente, com fundos revertidos para pesquisa do Câncer.
Cecília Kerche possui o título de Embaixatriz da Dança outorgado pela UNESCO devido a sua gama de atuação nas principais capitais internacionais. Cecilia Kerche – primeira bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, é protagonista de uma carreira de reconhecimento internacional onde musicalidade, plasticidade, sensibilidade e emoção desenham uma trajetória de sucesso. Paulista de nascimento radicada no Rio de Janeiro, teve como professores, Vera Mayer, Halina Bienarcka e Pedro Kraszcuzuk, seu maestro e marido.
Passou a integrar a Companhia de Ballet do Teatro Municipal do Rio de Janeiro em 1982, cumprindo a determinação que se fez ainda no seu começo de estudo que - “um dia ocuparia o cargo de primeira bailarina do Teatro mais importante do País” - como de fato ocorreu no ano de 1985.
Apresentou-se em diversas Galas Coreográficas nas cidades de Madri, Moscou, Londres, Santander, Peralada, Narvi Jerez, Cidade do México, Caracas, Santiago do Chile, Assunpção, Montevidéo, Porto Rico, Dresden, Bruxelas, Antuérpia, Paris. Nessas últimas cidades tomou parte no espetáculo “Los Gigantes de La Danse”, junto a Maya Plissetskaya, e várias outras estrelas internacionais.
A Rússia é um lugar de destaque em sua carreira internacional. É convidada periodicamente para atuar nas versões integrais de grandes clássicos nas cidades de Odessa, Novosibirsky, Tashkent, Ufá.
A Australian Ballet contou com sua presença na participação no Ballet “Spartacus”, apresentado nos Teatros de Melbourne e Sidney. Como convidada do English National Ballet, na categoria de Senior Principal teve a seu encargo a temporada de inverno de 93/94, retornando à companhia como Principal Residente Guest Artist, quando participou das temporadas de inverno e verão de 95/96.
Em 1996, Márcia Haydée criou especialmente para Cecília Kerche um pas dedeux inspirado na lenda da sereia Yara.
No ano de 2006 foi convidada pela UNESCO para fazer parte do (CID) - Conseil International de la Danse, como um reconhecimento por toda sua trajetória internacional.
Vítor Luiz nasceu em Juiz de Fora e iniciou seus estudos de ballet com o professor Vitor Navarro em Petrópolis. No Rio de Janeiro estudou com Dalal Achcar e Pedro kraszczuk.
Formou-se pela “Royal Ballet School” (Londres). Sua carreira profissional começou na Inglaterra, no Birmingham Royal Ballet (dirigido por David Bintley). De seu repertório constam: “ La Syphide” (james), “Eduard II” (The Favel Tromp) e “Arthur” (The Saxons) de David Bintley, “O Corsário”, “Don Quixote” (Pás-de-deux 3º ato), “Giselle” (Paysant pas-de-deux), “Com Amor” (Dalal Achcar).
De volta ao Brasil, Vítor integra o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, passando a se destacar nos primeiros papeis de “O Quebra Nozes”( Dalal Achcar), “Coppélia” (Enrique Martinez), “Giselle” (Piter Wright), “O Lago do Cisnes”(Feodorava, Makarova e Pankova), “A Bela Adormecida” (Slavick), entre outros, sempre com muito sucesso de público e de crítica, logo assumindo o cargo de Bailarino Principal.
Cecília Kerche e Vítor Luiz concederam as seguintes entrevistas para o Portal da Famílias:
Entrevista com Cecília Kerche
1 - Ano passado foi um ano de muitos convites para o exterior, inclusive você participou como bailarina convidada numa Gala no City Center. Pode nos contar essa experiência ?
CECÍLIA KERCHE - Foi minha primeira experiência em Nova York ,e mais um momento muito importante e gratificante em minha carreira , pois não obstante o fato de dançar lá ,participava na condição de madrinha da delegação brasileira que concorreu no YAGP ( Youh American Gran Prix).

2- O ballet “O Quebra Nozes” concluiu com “chave de ouro” a inesquecível temporada de final de ano do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Neste ano de 2008 o que podemos esperar dessa magnífica companhia clássica?
CECÍLIA KERCHE - A história desta companhia é trazer ao público sua especialidade , O BALLET CLÁSSICO. Estes artistas motivados por boas temporadas sempre são um sinônimo de sucesso para o Theatro Municipal. Não sem razão o Ballet do Theatro Municipal é considerado "A PRATA DA CASA" !!!

3 - Embaixatriz da Dança, melhor intérprete do ballet “O Lago dos Cisnes”, “Elegância Clássica”, Embaixadora da Cidade do Rio de Janeiro, Membro do Conselho Internacional da Dança... - Esses são alguns títulos que você carrega por sua trajetória de excelência no ballet. Pode nos falar sobre eles?
CECÍLIA KERCHE - Sim, mas não me prendo a isso não !!! Porque cada vez que entro no palco lá está só a bailarina .

4- Cecília, fale um pouco sobre o seu cotidiano. Rotina de ensaios, vida em família - é possível conciliar tudo isso para uma Primeira Bailarina com carreira internacional?
CECÍLIA KERCHE - Meu cotidiano é voltado para minha profissão. Escolhi ser bailarina desde muito cedo e vida de uma bailarina tem suas regras, mas como amo o que faço, sempre dá para conciliar tudo.

5- Qual seu tipo de lazer?
CECÍLIA KERCHE - Gosto de nadar, ler, brincar com meus cachorros, cozinhar quando estou inspirada, ir ao cinema e assistir programas de televisão .

6- Em suas declarações e entrevistas, é notável o seu reconhecimento pela família, o modo como foi educada, valores, ética. Você considera a família o centro da formação humana ?
CECÍLIA KERCHE - Sim a família é um grande alicerce.

7- O que mais importa na sua opinião: realização ou reconhecimento?
CECÍLIA KERCHE - Realização.

8 - Você acredita que a arte é uma fonte rica para promover educação? Formar platéia?
CECÍLIA KERCHE - Sim , mesmo sem luxo se pode ter educação artística. Estive na Rússia ainda quando era União Soviética - o povo em geral não tinha luxo; estive em Cuba e vi Havana em escombros envelhecida e deteriorada mas a educação era fator primordial. Não quero dizer que estes lugares são a referência de educação, mas pude constatar que a arte é um grande veículo de educação e noção de cidadania.

9- Cecília Kerche, o que dizer à uma mãe quando seu filho ou filha desejam estudar ballet como profissão?
CECÍLIA KERCHE - " Nooossa, você é uma pessoa de sorte mesmo !!! "

10- Qual maior ensinamento que a arte do Ballet lhe proporcionou?
CECÍLIA KERCHE - Ensinou-me a descobrir como sou forte.

Entrevista com Vítor Luiz
1- Vítor Luiz, fale um pouco sobre a sua descoberta para o mundo do Ballet?

Vítor Luiz - Tudo começou em Petrópolis, onde cresci, e dei inicio aos meus estudos em dança. Descobri como era prazeroso e bonito unir música e movimento, como essa combinação criava uma magia diferente de tudo que conhecia.
2- Qual a importância que teve sua família na sua formação como Bailarino?
Vítor Luiz - Total. Se não fosse esse incondicional apoio de meus familiares, todos eles, e se eu não seguisse a intuição de meu pai, a minha vida tomaria um rumo totalmente distinto.
3- Vítor, “Danser Noble” aos 25 anos de idade. O que você pensa sobre seu futuro no Ballet? Vítor Luiz - Sei que estou ultrapassando limites nunca cruzados por nenhum bailarino brasileiro que vive e trabalha aqui, e isso me orgulha. Ao mesmo tempo isso traz a responsabilidade de crescimento contínuo, porque para se manter bem é preciso renovar-se como instrumento e como artista. Não sei até onde vou chegar. Dois anos atrás, não imaginava minha vida como agora, - então, o que mais poderá acontecer em outros dois, três ou dez anos?
4- Fale um pouco sobre a preparação para se chegar ao título de primeiro Bailarino e o que isso representa para você ;
Vítor Luiz - Minha carreira profissional começou com 17 anos na Inglaterra. Fazia parte do Birmingham Royal Ballet. De lá pra cá fiz um pouco de tudo dentro de uma companhia. Desde figurante até principal. Em 2005 recebi no Theatro Municipal o título de Bailarino Principal. Acho que a preparação nada mais foi que o aprendizado. Sempre tive pessoas ao meu lado, que me diziam a verdade, mesmo que não fosse muito agradável escutar! Uma coisa que me valeu foi aprender a lidar com o erro. O palco e a sala são bem diferentes. O título representa respeito e reconhecimento no mundo da dança, e um troféu. como o de uma conquista. Mas ... “ô negócio que dá trabalho polir, viu...”
5- O sucesso da temporada do ballet “O Quebra Nozes” ano passado, contou com sua assinatura. Um público receptivo, temporada com ingressos esgotados todos os dias. O que isso representa para a principal Companhia. de Ballet do Brasil?
Vítor Luiz - Para mim é a prova que o ballet como entretenimento é, e continuará sendo uma das formas mais atraentes para o público de todas as idades, de todos os povos, de todas as línguas, por estarmos falando com dança, não palavras. A vantagem disso é que cada espectador alimenta na imaginação uma história toda sua, única.

6- Vítor, que diz para você o nome Cecília Kerche ?
Vítor Luiz - Esse nome me soa familiar... Onde já ouvi esse nome?Brincadeiras à parte, Cecília pra mim foi desde sempre um espelho. Com 15 anos comecei a estudar com meu grande mestre Pedro Kraszczuk, marido de Cecília, e assim a conheci. Lembro que a primeira coisa que disse pra mim foi: “Meu Deus, mas é um bebê!”, referindo-se à idade, e a cara de menino. Com o passar dos anos, conheci muitas outras “Cecílias”, primeiro era só exemplo, depois se tornou partner e hoje a tenho como uma grande amiga.
7- Vítor, você já conquistou o público do Rio, uma platéia que admira o seu trabalho. Como é dançar no exterior?
Vítor Luiz - É diferente, pois cada público tem a sua maneira de gostar. Não me importo muito se estou aqui ou lá, procuro sempre me apresentar da melhor maneira para representar bem o Theatro Municipal e em conseqüência, o Brasil.
8- Você acredita que para o Bailarino Clássico no Brasil a melhor saída seja o aeroporto Tom Jobim?
Vítor Luiz - Pra muita gente sim. Aqui infelizmente não temos espaço para todos. Sobram academias formando gente de primeira linha, falta emprego, quantidade de espetáculos e melhores salários.
9- Você dançou o ballet “Onegin” – uma obra prima de Tchaikovsky, na personagem do poeta Lensky. Como foi para você conceber essa personalidade tão doce e romântica e, ao mesmo tempo, tão visceral?
Vítor Luiz - Eu acredito ter conseguido captar a essência de Lensky, que na minha leitura é a de uma pessoa jovem extremamente sensível, ao mesmo tempo que rústico, com valores de um apaixonado pelos ideais de amor eterno ,nobreza e hombridade; e que acontece de ser enamorado de Olga, que por sua vez é fútil e deslumbrada. Combinação difícil. Na parte técnica, é um dos papéis mais difíceis do ballet. Dançar o adágio da cena do duelo é um desafio técnico muito grande por si só, quanto mais quando é feito com emoção. Também foi minha estréia oficial como Primeiro bailarino, e eu senti o peso da responsabilidade sobre os ombros, mas de uma forma muito positiva!
10- Vítor Luiz, você acredita que o artista seja um canal mediador entre criador e criatura?
Vítor Luiz - Sim. Todo ser humano tem em si o potencial de realização. Porém só o artista é capaz de transcender a tudo, e manifestar o inusitado. Pra mim não há caminho mais curto entre Deus e o homem que a arte.
Wellen de Barros


Publicado no Portal da Família em 07/05/2008

Um comentário:

Carlos Antonio disse...

Meu nome é Carlos Antonio e sou meio suspeito para comentar sobre o assunto pois sou fã da bailarina Cecília Kerche e venho acompanhando seu trabalho já a algum tempo mas este Blog contém fatos que nem ela( Cecilia Kerche) se lembra pois então a equipe que elabora este Blog está de Parabèns.